07/01/2008

A Festa



Tinha cada um o seu sonho para a festa de Santa Eufémia.

O Nobre, era deslindar umas contas velhas com o Marcolino; a mulher, era pagar a promessa que fizera por causa do ferrujão dos bois; a filha, era passar a noite no arraial, a dançar a cana-verde nos braços do namorado.

Por mais duro que fosse o serviço - roçar estrume, saibrar ou arrancar batatas -, bastava a ideia desse dia longínquo para o cansaço se evaporar. O Nobre via-se limpo do nome de covardola com que o Marcolino o mimoseara; a Lúcia imaginava-se a dar voltas à capela, acarinhada pela bênção protectora da Santa; a Otília fervia já no calor dum contacto permitido e amado, ao som da música de Torrozelo.

-Quando vamos à Vila? -perguntava a rapariga dois meses antes, a pensar na saia nova de merino.

-Tens tempo... -respondia o pai, que também acalentava o desejo inconfessado de uma faixa de cinco voltas.

Sorrateiramente, faziam os três, pelo ano fora, economias para esse dia, num segredo soma e feliz. O Nobre vendera os bois por dezoito notas, e escamoteara uma da conta; a mulher roubara dois alqueires de centeio da tulha, e passara-os à socapa ao padeiro; a Otília entendeu-se com o comprador do vinho, e surripiou um almude na altura da medição.

Os projectos ocultos de cada um implicavam despesas extraordinárias, que a economia oficial de casa não poderia consentir. O Nobre queria ter com que pagar de beber à farta aos amigos, diante dos quais se sentia na obrigação de lavar a honra, mas não estava disposto a prestar contas à mulher. Esta, por sua vez além da penitência da promessa, tencionava reforçar com uma boa esmola a gratidão à Santa, e não via razão para meter o homem nesses pormenores de fé. A moça prevenia-se para todas as eventualidades. Se o rapaz a brindasse com uma limonada, precisava ela de lhe oferecer pelo menos uma cerveja. Amor com amor se paga...

De resto, no capítulo de teres e haveres, cada qual sabia intimamente que nenhum dos outros estava descalço, à espera do cão que manqueja. Mas, por defesa própria, fechavam os olhos à suspeitosa fonte dos proventos alheios. Era um jogo infantil, que a família inteira jogava harmoniosamente.

E foi assim, de bolsa confortada e vestidos de novo ou de lavado, que os três se meteram a caminho da serra, na véspera da romaria.

A ermida de Santa Eufémia fica no alto de um descampado de fragões, e à sombra de meia dúzia de castanheiros da idade do mundo é que se lhe faz a festa. Gente de todas as castas, cabritos assados de quantos rebanhos pastam nas redondezas, vinho de Guiães e de Abaças, trigo de Favaios, doceiras da Magalhã e de Sabrosa, andores armados por quatro freguesias, duas músicas, sete padres, pregador de Murça – o divino e o profano dão ali as mãos, num amplo entendimento. O céu desce um pouco, a montanha sobe mais, e ninguém sabe ao certo a que reino pertence. Com a cuba do estômago cheia e a imagem da Santa espetada na fita do chapéu, um homem sente-se capaz de tudo: de matar o semelhante e de comungar. Ouve-se um padre-nosso e uma saraivada de asneiras ao mesmo tempo. E apaga-se naturalmente do espírito a estrema que separa o mundo real do irreal. Só quem vem de peito feito para cumprir à risca a devoção que o traz, seja ela qual for, consegue encontrar pé num tal mar de contradições.

Ora, justamente, o Nobre, a mulher e a filha faziam parte desse restrito número de romeiros. Traziam um programa definido no pensamento, e nenhuma solicitação, por mais sedutora, os faria mudar de propósito.

- Bem, vou à minha vida... -anunciou a Lúcia logo depois da merenda, a arranjar liberdade.

Era muito devota de Santa Eufémia, e gostava de lhe abrir o coração com vagar, a sós, numa intimidade lá dela.

- Eu também quero falar aí com umas pessoas... -preveniu o homem, que não se confessava em matéria de zaragatas.

- Fico então sozinha... - disse a rapariga, a fingir solidão. - O que vale é que sempre hei-de encontrar alguém da nossa terra...

- Diverte-te, mas tem juízo... -avisou a mãe.

- Não se aflija, que ninguém me come!

Partiu cada qual para seu lado, o Nobre em direcção às pipas de vinho, a mulher direita como um tiro à capela, e a filha em sentido oposto às rixas do pai e ao beatério da mãe.

- Ora viva! - saudou-a daí a nada o Leonel, antes de ela lhe pôr os olhos.

- Ai, és tu?!… Até tive medo...

Estavam aprazados para um bailado sem fim, e ainda não tinham acabado os cumprimentos rodopiavam já nos braços um do outro. –

Sejas bem aparecido! - cumprimentou chibante o Marcolino, maI o Nobre se aproximou, todo ancho, de faixa nova, corrente de prata ao peito e calças de boca de sino.

- Olé!...

Só a Santa é que não disse nada à devota. Olhou-a do altar com os olhos vidrados, e assim se ficou enquanto a Lúcia lhe desfiava salve-rainhas aos pés. Entretanto anoitecera, e o arraial abria na escuridão da serra uma clareira luminosa, intensa de vida e de paixão. As músicas desafiavam-se o mais rumorosamente que podiam, os foguetes estoiravam no ar como bombas de dinamite, os pares levantavam nuvens de pó, havia mocadas aqui e além, e nas barracas comia-se, bebia-se e jogava-se a vermelhinha.

- Vamos até ali... -convidou, implorativo, o Leonel, perdido pela namorada.

- Ali, aonde? - perguntou ela, sem esforços para resistir.

-Ali adiante...

- Malandro, que mas hás-de pagar todas hoje! -gritava o Nobre de lódão no ar.

- Santa Maria, Mãe de Deus, rogai por nós, pecadores...

Ninguém tinha tempo para cuidar dos outros. Cada um tratava de si, dos seus amores, da sua fé, dos seus ódios. À medida que as horas avançavam, os menos resistentes iam cedendo às leis do sono e do cansaço. Qualquer sítio lhes servia de cama. E às tantas, dentro da capela e no adro, o chão era uma estrumeira de corpos, adormecidos numa promiscuidade de animais. Crianças ressonavam de boca aberta, velhas descompostas, escancaradas, mostravam as pernas secas e varicosas, e roliços braços de raparigas reluziam inertes à luz dos foguetes. Ao lado de cada um, o cesto do farnel, o varapau ou a cana de morteiro, guardada como um troféu.

-Oh! meu Deus da minha alma, que há-de ser de mim?!... -gemia a Otília.

-Agora já ele sabe quem é covarde!... - farroncava o Nobre.

-Salve, Rainha, Mãe de misericórdia, vida e doçura... -orava a Lúcia.

O calor das fragas e da terra, que o sol cozera todo o dia, mantinha a saturnal num mormaço de febre. A lamentar o mau passo, a blasonar, ou a erguer um hino de glorificação, as almas tinham a mesma força e o mesmo dom de entrega, embora qualquer coisa -a escuridão talvez -roubasse a cada acto a paz da plenitude.

-Juro... - prometia frouxamente o Leonel, reticente, a dizer que casava.

- Chegaste para ele, não há dúvida... - concediam os amigos do Nobre, depois da refrega, num dúbio reconhecimento da bravura com que se houvera.

- Amen... -ouviu a Lúcia dos próprios lábios, a sentir na alma o vazio do rendeiro que pagou a renda.

O contrato era de se encontrarem no fim do arraial, pela madrugada, para darem ao dente e beberem mais uma pinga. E realmente, mal a última girândoIa subiu ao ar e morreu em fumo no céu, lá estavam todos no sítio combinado, exaustos, de olhos vermelhos da poeira e do sono, cada qual com as contas do seu rosário passadas.

Acordada pela luz da manhã que rompia calma e diáfana, a serra mostrava os largos horizontes varridos, e amortecia nas consciências a confusa exaltação que a noite permitira. As rodas de fogo-de-artifício, que a multidão vira rodopiar num frenesim de loucura, eram agora a imagem desoladora do transitório, tortas e desmanteladas nos eixos; vómitos de vinho, ossos descarnados, excrementos e cascas de melancia testemunhavam a íntima e triste miséria da vida; e pobres pedintes, andrajosos e aleijados, punham termo ao interregno das lamúrias, e mostravam novamente as chagas cobertas de moscas. Uma dormência lassa quebrava o corpo, a vontade, a fé e a própria esperança. Nas caras sanguíneas dos que tinham palmilhado léguas para chegar ali, havia uma palidez de desilusão, de inconfessado e dorido arrependimento.

- Foi bonito... -disse, contudo, a rapariga, a disfarçar o desencanto.

- Foi -respondeu o pai, com secura.

- Mas parece que gostei mais do que no ano passado... -arriscou a mãe, a sangrar dos joelhos. -Vamos a ver logo, que tal a procissão...

Defendiam-se como podiam da luz crua da realidade. Mas já nenhuma esperança sincera os amparava. O Nobre dera mas recebera, e duas lombeiradas do Marcolino tiravam-lhe o contentamento da desforra. Ou tinha uma costela partida, ou grossa avaria dentro da caixa do peito. A Lúcia, de contas saldadas, e com as rótulas à mostra da areia grossa do chão, sentia-se rarefeita como um fole espremido. A rapariga, essa reduzia tudo à sua honra perdida atrás de uma fraga que nem saberia agora identificar.

Mas iam todos encher a barriga, dormir, e arranjar novas forças para continuarem a gozar pelo dia fora aquela festa a Santa Eufémia, pela qual tinham suspirado tanto o ano inteiro.

Miguel Torga, Novos Contos da Montanha